Ode a Tupã

É tão somente na natureza,
que o homem encontra-se 
O silêncio ensurdecedor,
no marasmo agitador,
as invisíveis barreiras se dilaceram

As ilusões se corroem e
o instinto de sobrevivência domina,
nas mudas frases verdejantes,
no zumbido impetrante

Ouvirás, então, o menino
que grita dentro de si
Longe das sirenes,
da poluição, do consumo e da coerção

No cenário rupestre que se esvai,
as ilusões ditadoras do dia-a-dia,

como dirá, a ninguém, Nhanderuvuçu.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Hirto

Ósculo

Pax

Necrochorume

Último respiro

Tarsila e Pagu

Canção do Exílio a Dom Bertrand

Oniquito