Tarsila e Pagu

As musas que cerceiam,
as aves que gorjeiam...
Se Tarsila e Pagu iam,
versos crus que venciam!

Se soubesse soturna pantera,
essa solidão que assevera
No leito morte se assemelha,
a eternização desta centelha

Em cada sílaba que entoa,
separatistas sobrevoam,
os lindos lagos da Pampulha

Renego e relembro da peleja,
quando sonhamos inacabados tratos

Salve, salve belas damas!





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Hirto

Ósculo

Pax

Necrochorume

Último respiro

Oniquito

Buddhyahaṅkāra

Canção do Exílio a Dom Bertrand