Incubus

Deixe-me, íncubos e súcubos;
vampiros de noites de tormenta,
alimentando-se de espessos fluídos

Vermes paspalhos, rabugentos em covis
Vontade consciente escrita, nas puras águas,
em letras de fogo, pelo Sol da Alma

Íntima Divindade,
sem nada inútil,
sem nada inarmônico…

Entregue-se completamente ao ato de amor
Cessa-se o conhecimento

Seja senão a Vontade.



Postagens mais visitadas deste blog

Hirto

Ósculo

Pax

Necrochorume

Tarsila e Pagu

Último respiro

Oniquito

Buddhyahaṅkāra

Canção do Exílio a Dom Bertrand