Buddhyahaṅkāra

Plenitude, não sou mente, nem liberdade, nem razão
Minha natureza é consciência, não sou ego e não tenho memória
Não sou apegado, nem condicionado, nem tenho paladar,
Nem olfato, nem visão. Não sou espaço, nem terra

Não sou fogo, nem ar, pois permeio o existente
Minha natureza é consciência, permeio o existente 
Estou conectado com os sentidos, não sou prāna

Nem os cinco alentos, livre de pensamentos
Livre de estrutura e forma, nem os sete elementos do corpo físico
Nem os cinco kośas, nem mestre, nem discípulos
Não sou fala, nem mãos ou pés, não tenho parentes, nem amigos 

Não nasci, não tenho sexo, nem eliminação
Não tenho pai, nem mãe, não tenho apego, nem aversão;
Nem ambição, nem ilusão, não tenho classe social;
Não sou morte, nem medo; orgulho e inveja não são meus

Não tenho deveres, nem o desfrutador, nem busco a libertação
Nem alegria, nem sofrimento, não sou virtude, nem ação errônea
Nem escrituras, nem rituais; nem mantras, nem lugares sagrados

Nem o desfrutador. Não sou prazer, nem o que este produz.




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Hirto

Ósculo

Pax

Necrochorume

Tarsila e Pagu

Último respiro

Oniquito

Canção do Exílio a Dom Bertrand