Cântico a Prakriti


Realidade ilusória, em seu colo, Prakriti
Meus lábios, Maya, tocaste sua essência
Como uma montaria, subjugando-me

Como um servo, inclinei meu ímpeto
Toquei novamente sua pele
E pela terceira vez, o tempo-ilusório parou

Enquanto a serpente dorme, o tempo consome
Realidade não-real, impregnado pelo aroma jovial
O eterno "não eterno", acariciava  sua derme

E o subjugado, subiu em um dos nove céus.
E quando a face se afastou de teu colo,
o tempo voltou a contar e a cobrar seu preço

A ilusão que lança um véu sobre Brahman,
passou a controlar todos os atos
E você foi embora



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Hirto

Ósculo

Pax

Necrochorume

Último respiro

Tarsila e Pagu

Canção do Exílio a Dom Bertrand

Oniquito