Sempre-nunca

No despertar da lótus,
teu reflexo no espelho,
sublinhando ancestrais demandas,
e passivos comunitários semblantes

Ação e reação, carma
frutificando intenções,
más, boas e neutras

Shiva, libertarás
Darei-lhe vontade própria
Flutuará, então, de volta para casa

Talvez, sempre-nunca
nunca, talvez, sempre
E nestes cânticos, emerso

Futuro-passado,

tempo atemporal





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Hirto

Ósculo

Pax

Necrochorume

Tarsila e Pagu

Último respiro

Oniquito

Buddhyahaṅkāra

Canção do Exílio a Dom Bertrand