Ode Tupinambá

Propostas licorosas,
Metástases profanas,
Cachaça-bacana, ateu!

Rangendo o canto da boca,
O pitagórico soco grotesco, Teseu!

Há o nada.
Nadando em piscinas cristalinas
Da retina contida, tupinambá!

Do sangue escorrido,
Do choro contido,

Do falso refém...








Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Necrochorume

Último respiro

Canção do Exílio a Dom Bertrand

Pax

Ósculo

Retambana de pesares

Hirto

Prasãda