Ogdóade

Ó, Poimandres,
A cada sizígia um par macho-fêmea
Um de cada um dos oito aeons,
na profundidade e silêncio,
a plenitude da mônada.

Pleroma que arquiteta,
o grande Primeiro Princípio
em cada um dos sete céus

Deixai-me a punição na Ogdóade
Vibrando no canto inaudível
Do Bem que sucede as trevas;
Da alegria a tristeza.

Do amor incontinente;
Do endurecimento concupiscente;
Da justiça injusta

Da bondade-cúpida;
Da verdade enganadora;
Da sujidade da luz-trevas.

Pois de dez,
se vão doze



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Hirto

Ósculo

Pax

Necrochorume

Último respiro

Tarsila e Pagu

Canção do Exílio a Dom Bertrand

Oniquito