De incertitudine et vanitate scientiarum

Sicofantas do púlpito.
Sofistas do escárnio.
De joelho, beijam vossa face.

Na futilidade das coisas,
esculpem vãs acusações.
Trismegestiando elucubrações.

Oras, qual o preço da verdade?
Xenofantiando a imensidão
de meia verdades.

Não há moedas, ouro ou preço,
a se pagar pela verdade.
Não há suplícios a eterna-mentira.

Não há caminho maior que a verdade.
Verdadeira ilusão valsante
Escorrendo pelas lágrimas de seu rosto.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Hirto

Ósculo

Pax

Necrochorume

Último respiro

Tarsila e Pagu

Canção do Exílio a Dom Bertrand

Oniquito