Tudo e nada

A contagem limitada de acontecimentos inesperados
Emolduram no cosmo sua passagem por esta vida
A contagem ilimitada de inesperados açoites,
Dizem-lhe, afinal,  a direção.

Imensidão aglutinada de "nadas"
Aglutinada imensidão de temas.
Uma contagem ilimitadas de "cliques".
A instalação completa do software da solidão.

Do caos ao caos.
Da contagem ilimitada de nada com nada.
Tudo é nada.
Nada é tudo.

A dimensão da sua dor
É a casualidade do nada.
Como não perceber?

Dia e noite.
Noite e dia.
Nada e nada.
Vida e morte.
Morte e vida.

Nada e Nada.




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Hirto

Ósculo

Pax

Necrochorume

Último respiro

Tarsila e Pagu

Canção do Exílio a Dom Bertrand

Oniquito