A ilusão do tempo

Estás aqui e lá, lá e aqui.
Com olhos fechados, viaje onde deseja
sem os grilhões do tempo
Doce, ilusão!

A dimensão que precisa ser suprimida
Doce, ilusão! Tempo, não existe
Do ponto A ao B a vã matemática não explica:

Como atravessar o infinito?
Tempo, senhor das almas?
Aniversariando sua existência com a morte...

Outra ilusão?
Embora pereça, átomos reinventam
Recombinando outra existência?

Tempo que lhe dá a morte
Morte que lhe dará o tempo
A linha tênue entre o que aconteceu, acontecerá e acontece...


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Hirto

Ósculo

Pax

Necrochorume

Último respiro

Tarsila e Pagu

Canção do Exílio a Dom Bertrand

Oniquito