Memórias

Permita, quem sabe, a memória
Com olhar que penetra e me afoita
Permita, quem sabe, se esconda
Debaixo de importunas sombras.

Que as palavras descartadas e arredias;
As silabas aplumadas sobre o esteio fizeram
Despertar, sem preocupação, esta redondilha
Que a flavus; aos poucos lhe entrego

Posto que é chama, que arda.
Posto que é ferida, que doa.
Permita-me, Deus, que morra

Sem antes toca-lá, Fúlvia
Saciando a intacta sede
Adentrando-a, você cede?


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Hirto

Ósculo

Pax

Necrochorume

Tarsila e Pagu

Último respiro

Oniquito

Buddhyahaṅkāra

Canção do Exílio a Dom Bertrand