O fingir do amor


Posso fingir? Devo!
Mas e quando olhar?

Agora vivo nos planaltos imundos,
entre a moralidade e a racionalidade.
Porém, teu olhar me amolece, desconcentra...

Um simples ateu, um pagão e cristão,
Vivendo meu pranto, sem encantos.

E nas vestes de um novo santo.
adentro minha alma.
Sofro por não poder, jamais, 
sentir e fingir o porque a alma pena.


(ARCHANGELO, A. Ápeiron, Ed. Buriti, 2019)


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Hirto

Ósculo

Pax

Necrochorume

Tarsila e Pagu

Último respiro

Oniquito

Buddhyahaṅkāra

Canção do Exílio a Dom Bertrand