Esclerótica Côncava

Calma, aprenda a sentir os anis anestésicos.
Licorosos e espumantes pensamentos, Orpheu!
Nega-te! Negue sua ilusória existência!

Fingirá, então, a dialética demagógica, além do Olimpo.
Pois remará em remansos, morrerá no Aqueronte em prantos!
E ficará pasmo ao tocar sem nenhum tipo de encanto,

A inédita reprise desse canto!


(ARCHANGELO, A. Ápeiron, Ed. Buriti, 2019)


Interpretação do século XIX da travessia de Caronte, por Alexander Litovchenko.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Hirto

Ósculo

Pax

Necrochorume

Tarsila e Pagu

Último respiro

Oniquito

Buddhyahaṅkāra

Canção do Exílio a Dom Bertrand