Jaz

Fecho a porta,
Sigo o mesmo corredor.
Em outra direção,
como não perceber,
queles velhos quadros empoeirados?

Esqueço a antiga poltrona?
costumávamos ouvir velhas histórias ali...
Doce e amarga lembrança!

O relógio, conta um minuto a menos,
mas não posso voltar no tempo.
Sinto, ouço e escuto tuas palavras,
nunca mais....

Ainda lembro do timbre de tua voz,
ecoando sobre os pisos úmidos,
Pedindo-me atenção,
 - um pouco mais de atenção!

Eu deveria ter ficado mais com você,
no final daquela tarde,
estava com pressa,
poderia estar sentado ao seu lado...

E ter contado a você tudo o que sentia,
dia-a-dia fui me distanciando,
esquecendo, todos os momentos,
que passou ao meu lado.

Nos primeiros dias,
Tu foi embora,
chorei naquele dia!

Alardeei a todos quanto te odiava,
queria atenção,
sentir seu abraço,
o afago e a atenção.

Carregarei o peso, até o fim dos meus dias,
Mas lembrarei-me para sempre,
do teu caminhar,
do teu riso,
Do teu jeito de falar,

Eu sei,
você sempre amou-me.
Nunca tive coragem para te dizer,
mas sempre vou te amar!
Saudades.


"A Criança Doente", Edvard Munch

(ARCHANGELO, A. Ápeiron, Ed. Buriti, 2019)









Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Hirto

Ósculo

Pax

Necrochorume

Último respiro

Tarsila e Pagu

Canção do Exílio a Dom Bertrand

Oniquito