Na estante

Costumava estar fora de si,
não é assim como todos se sentem em relação a vida,
seguir a correnteza e contar com a sorte?.

Mas já não há tempo!
Ao levar as coisas desta maneira,
percebi, naquela noite, 
o quanto tolo fui por todos estes anos...

Preso a correntes, que aprisionam a todos.
Não tenho medo da morte,
mas existe alguma meta, neste momento?

Posso pegar sua mão?
Quando você precisar,
estarei em sua estante, na reserva.

Posso ouvir suas mentiras e te confortar...
Também menti por um longo tempo,
mas este tempo ficou para trás.

Leve um dia atrás do outro,
e não conte com a sorte.
Estamos todos no mesmo barco.

Racistas, religiosos, todos!
Estenda tua mão,

e não conte com a sorte.

(ARCHANGELO, A. Ápeiron, Ed. Buriti, 2019)


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Hirto

Ósculo

Pax

Necrochorume

Tarsila e Pagu

Último respiro

Oniquito

Buddhyahaṅkāra

Canção do Exílio a Dom Bertrand